“Aguente firme.
Por mim,
Por você,
Por nós.
Pelo nosso amor.”
David Castro. 
“Eu nunca vou entender porque a gente continua voltando pra casa querendo ser de alguém, ainda que a gente esteja um ao lado do outro. Eu nunca vou entender porque você é exatamente o que eu quero, eu sou exatamente o que você quer, mas as nossas exatidões não funcionam numa conta de mais… Mas aí, daqui uns dias…. você vai me ligar. Querendo tomar aquele café de sempre, querendo me esconder como sempre, querendo me amar só enquanto você pode vulgarizar esse amor. Me querendo no escuro. E eu vou topar. Não porque seja uma idiota, não me dê valor ou não tenha nada melhor pra fazer. Apenas porque você me lembra o mistério da vida. Simplesmente porque é assim que a gente faz com a nossa própria existência: não entendemos nada, mas continuamos insistindo.”
Tati Bernardi. 
“Pegue um papel, escreva o que sente, depois guarde com você. Ninguém precisa saber.”
Datilografias. 
“Metade de mim já se alterou, mas a outra metade é a mesma, metade de mim é multidão, outra metade é solidão, metade de mim é só risos, outra metade é só pranto, metade de mim é só amor, outra metade é só frieza, metade de mim já morreu, outra metade, sobreviveu. Metade de mim é só inocência, outra metade pura malícia, metade de mim é ironia, outra metade é sinceridade, metade de mim é bastidor, outra metade, é protagonista, metade de mim é palhaçada, outra metade, é seriedade, metade de mim é desastrada, outra metade é delicada, metade de mim já se foi, outra metade, ficou mais forte, metade de mim é preto e branca, outra metade é colorida, metade de mim é permanente, outra metade, de repente, metade de mim é igualdade, outra metade é diversidade, metade de mim virou pedra, outra metade, floresceu, metade de mim é só ruídos, outra metade é só silêncio. Porque metade de mim é todo mundo, mas a outra, absolutamente ninguém.”
Jhennfer Wernek.  
“Um dia Charlie quis alguém pra conversar. Charlie quis alguém pra desabafar, para pedir conselhos. Charlie um dia quis alguém que falasse besteira com ele até a madrugada, e que desse crise de gargalhadas até a mãe de algum deles chamarem a atenção. Charlie quis ir em um show e se divertir, não pegando todas, mas dançando com alguém, um amigo talvez. Charlie quis tanto. Charlie quer tanto e acaba que não consegue nada. Charlie acreditou muito nas pessoas e quem acabou mal e sozinho foi ele. Não entendo o por que de sempre as pessoas que são as legais acabam se dando mal por causa de outras pessoas. Charlie queria que alguém dissesse que ele era importante pelo simples ato de existir, Charlie nunca ouviu isso. Charlie queria que seus amigos fizessem uma festa surpresa pra ele, mas fizeram para todos menos para Charlie, ele ficou muito chateado por todos terem uma festa surpresa e da turminha o único que nunca teve nada foi ele, sempre ele. Charlie sempre tinha voz no grupo, mas sempre falava coisa sem nexo e acabava que se sentia confuso por dizer aquele tanto de besteira. Charlie um dia quis ficar calado e todos acharam que ele estava mal só pelo fato dele está calado. Charlie não estava mal apenas estava percebendo quem estava se preocupando com ele, e chegou a conclusão que uma ou duas pessoas, e só. Charlie sempre quis ser um grande amigo pra todos mas sentiam medo dele, e até hoje ele não sabe o motivo disso. Charlie era tão aberto as coisas e sempre que pintava um problema, procuravam ele pra resolver. Mas quando o problema era ele, ninguém se dispunha a ajudar, ou ao menos entender. Charlie sempre quis receber abraços quando chegava na escola, mas nunca recebeu, via todos ganhar abraços, carinhos e só ele não recebia. Charlie ficou com o coração cheio de coisas que nunca chegou a esvaziar. Charlie é uma bomba relógio que nunca explode, e que se explodir ninguém escuta o barulho e não tem impacto nenhum. Charlie já quis dar uma volta em outro mundo sabendo que ninguém ia sentir saudades. Ele tentou, mas não conseguiu. Charlie já quis dar um tiro em si mesmo, porém não tinha uma arma na hora. Charlie já teve um machucado que sempre dizia que era uma dorzinha atoa, mas ela nunca sarou. Charlie quer ser alguém, quer ser lembrado por alguém. Charlie conta os dias para isso tudo acabar, ou quem sabe recomeçar de alguma forma. Charlie tá cansado de correr, ele quer caminhar. Charlie conversa com a saudade como se fosse parente. Charlie é primo do amor, e sobrinho da dor. Charlie cansou de ser você, ele quer ser outro. Charlie quer ser lembrado por alguma coisa, não por precisarem dele, mas por ter feito algo importante. Charlie nunca vai ser lembrado, pois o seu nome significa esquecimento.”
O menino Charlie. 
“Gosto de pessoas que conseguem me enxergar além do que eu pareço ser.”
Desconhecido.